Tutorial de Quinta – Open Mod PLug Tracker pt 1

 

Em 10 anos de aulas, aventuras, pesquisas, festas e traumas sob a flâmula do trator, a única situação recorrente que me encontrava despreparado, acontecia quando me perguntavam a origem do nome da escola. Não que eu tenha alguma dúvida sobre o que são trackers, verdadeira obsessão pessoal por muitos anos, mas é difícil explcar a sua paixão quando ela é tão peculiar e tão dependente de um jargão técnico. Então, quando eu tinha a oportunidade, geralmente quando a pergunta surgia em sala de aula, mostrava um tracker funcionando dentro de toda a sua elegância criativa e peso histórico.

Neste tutorial de quinta vou mostrar o basicão do Mod Plug Tracker, o primeiro tracker eficiente para Windows que se dispunha a conciliar os estilos de composição dos trackers em DOS, abrindo e salvando os formatos .xm (módulo do Fast Tracker) e .it (módulo do Impulse Tracker), além de reconhecer o formato original .mod o mais comum do Amiga.

Acompanhei de perto o desenvolvimento do Mod Plug Tracker porque fui um dos primeiros usuários do Mod Plug – um plug in de browser da época dos modens de 14.400Kbps. Eu me sentia parte da “cena” mod mesmo não participando de nenhum modgroup, que eram os “selos” que lançavam as músicas compostas em trackers para a própria cena de compositores, já que só rodavam nos programas de origem. Até que apareceu esse “player on line” de mods – que seria uma revolução para os compositores trackers se o resto da internet entendesse o que eram mods e para que serviam.

badrawfile1

Pra mim, a oportunidade de apresentar o formato de music module dos trackers para um público fora da cena, surgiu na forma de um web art contest, que me inscrevi com a Desi Alessandrini em 1997,  uma entusiasta das possibilidades artísticas ainda restritas da internet dial up. Criamos uma animação usando alguns quadros semi-abstratos, com uma trilha em mod de speedcore breakbeat que repetia um sample de um videogame chamado Brahma Force It destroys the brain’s hability (7x) – To control destructive impulses.  Mental, não acham?! Mas não fomos os ganhadores. Em parte, quero acreditar que menos por falta de talento que por falta de paciência com usuários do browser internet explorer – na época uns 80% da WWW, que segundo minha parceira, era uma gentalha para quem não ia mudar seu código, que rodava tão macio no Netscape. Eu não podia falar nada, quando me recusava a trabalhar com qualquer programa de som que não fosse tracker, por mais que me visse confrontado com as incompatibilidades de outras plataformas… felizmente me livrei do sectarismo nerd desde então!

Depois de uns anos de fracasso, o mod plug foi descontinuado, restando apenas uma versão stand alone do player. E logo em seguida, o coder Olivier Lapicque, desenveu o Mod PLug Tracker, um programa com uma interface desprovida de charme como seus antecessores no DOS, mas altamente prático e eficiente no ambiente Windows.

Vamos ao tutorial então – Primeira coisa, baixar o programa – no site, verifique a versão compatível com o seu sistema, 32 ou 64 bits.

Instalar o programa é banal, escolha que ele abra assim que instalado e ira carregar a música demo. Deixo por sua conta encontrar o botão de play! 🙂

mpt01

Assim que a música começar a tocar, clique na aba com o desenho das notas musicais com o nome Patterns. Você irá ver a imagem acima.

Vamos ampliar um trecho dessas linhas de código que correm na vertical e entender como a música é produzida:

mpt02

Note que destaquei 5 colunas de código. Cada coluna dessas é uma pista (track em inglês) como um canal do mesa mixer. A notação na primeira linha tem um significado específico conforme a posição – assim em A-5 18 v6 001, temos 4 colunas de código com funções distintas.

A-5 – é a nota musical. A frequência chamada de Lá no solfejo, na posição 5, ou seja a quinta oitava no teclado de 8 oitavas.

18 é o número do instrumento,  que é um sample submetido à um envelop de ADSR para o volume e o panorama.

Então se clicarmos na aba sample e procurarmos pelo sample número 18, encontraremos esta onda, marcada como brass, com o som de trompete:

mpt03

Como expliquei, a onda sonora acima é tratada como um sintetizador baseado em samples, de modo que na aba ao lado, encontramos todas as suas varia;ões possíveis de pitch (frequência) e o envelope ADSR a que está submetida:

mpt04

Para entender o que isso implica, use seu teclado alfanumérico como se fosse um teclado musical polifônico, cada tecla vai corresponder a uma nota musical e voce poderá tocar uma melodia em tempo real no próprio teclado do computador.

mpt05

Com essa informação básica você já consegue associar o que está correndo na tela de patterns com o que está ouvindo.  Na parte 2 eu mostrarei como criar um groove básico de baixo e bateria com um pequeno pacote de samples, e comentar sobre onde encontrar músicas mod originais.

Niki Nixon

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − seis =